Em privilégio, vereadores pró-Ney vacinam base eleitoral; morador ‘comum’ fica sem

Em privilégio, vereadores pró-Ney vacinam base eleitoral; morador ‘comum’ fica sem

ALCEU LIMA
GABRIEL BINHO
Especial para o VERBO ONLINE, em Embu das Artes

Vereadores da base de apoio ao prefeito Ney Santos (PRB) “atravessaram a frente” da população que busca se proteger da febre amarela e reservaram “às escondidas” vacina para seu reduto eleitoral ou com o olho nas eleições deste ano. Enquanto aliados de Ney garantiram privilégio para se promover politicamente, em ato que não é função do vereador, a maioria dos moradores teve de ir aos postos e enfrentar longas filas para se vacinar ou sequer encontrou a vacina.

Câmeras de vídeo gravam vacinação com presença de políticos;

Viação Pirajuçara tem vacinação com ‘apoio’ de vereadores; Hugo Prado se promove em jornal do sindicato

Jornal do sindicato com agradecimento a Hugo e Ney; vacinação

Jornal do sindicato faz agradecimento a Hugo e Ney; vacinação com presença de Jefferson e assessor de Hugo

Conforme denúncia apurada pelo VERBO desde 23 de janeiro, os vereadores Hugo Prado (PSB), presidente da Câmara, e Gerson Olegário (PTC) conseguiram na Secretaria Municipal de Saúde pelo menos 500 vacinas contra a febre amarela para serem levadas para imunização de funcionários da Viação Pirajuçara, no Parque Industrial. O vereador Ricardo Almeida (PRB) obteve ao menos cem doses para vacinar fiéis da Igreja Universal no Jardim São Luiz, à qual é ligado.

No dia 26, um funcionário da empresa de ônibus contatado pelo VERBO confirmou que Gerson obteve as doses. “Quem conseguiu as vacinas foi um diretor do sindicato [dos Motoristas de Osasco e Região], através do vereador, esse vereador que ele ajudou na campanha que conseguiu algumas vacinas. Mas para o pessoal que trabalha de manhã e os caras mais próximos, foi feito no ‘sapatinho’ [em sigilo]. Foram só alguns funcionários, não foram todos, não”, relatou.

No dia 31, funcionários foram vacinados. Mas o que se viu na sala da empresa não foi só a aplicação da dose, também equipes de gravação da prefeitura e do sindicato para fazer imagens de autopromoção de Hugo e Gerson, que não deixaram de comparecer. “Na garagem hoje quem estava lá era Hugo Prado e Gerson Olegário, fazendo fotos, vídeo, a corja toda lá. Eles estavam com o ‘esquema’ da vacina, junto com a secretária do Ney Santos”, disse outro empregado.

“No final da vacinação, ainda pediram para agradecer Ney Santos na rede social, acredita?. Fazendo politicagem”, disse o funcionário. O VERBO teve acesso a um vídeo da vacinação com os câmeras a postos, em que aparece Celsinho Vasconcelos, assessor de Hugo, e o vereador Jefferson do Caminhão (PSDB). Na semana passada, o sindicato já soltou jornal com foto de diretores ao lado de Hugo, pré-candidato a deputado estadual, e agradecimento a ele e a Ney.

No mesmo dia da vacinação na Pirajuçara, um morador reclamava de não ter encontrado a dose em unidade de saúde do município. “As placas têm [vêm] informando. Aí você leva seu filho de 9 meses para tomar e cadê a vacina? EMBU, CIDADE DA VERGONHA. Isso foi na UBS Centro de Embu. Cadê os puxa-saco?”, protestou Eric Felipe Santos, ao mostrar cartazes com orientação de que a vacinação ocorre em todos os postos de Embu de segunda a sexta, das 10h às 16h.

Não foi um caso isolado. Diferente de outros municípios da região, Embu ficou sem vacina contra a febre amarela por vários dias, para sofrimento da população. Uma moradora do Jardim Casa Branca conseguiu se vacinar na terceira semana de janeiro, em UBS longe, no Jardim Nossa Senhora de Fátima, ficou três horas na fila, mas não encontrou a dose para a filha depois. “Já levei ela em um monte de posto, mas não achei a vacina. Ela não tomou ainda”, contou.

OUTRO LADO
Procurado pelo VERBO, Gerson Olegário disse que não está “privilegiando ninguém”. “A Secretaria de Saúde está vacinando algumas empresas grandes no município. Em todas as campanhas de vacinação, esse procedimento é de rotina. As empresas habitualmente fazem a solicitação para a secretaria e a vacinação é realizada, visando aumentar a cobertura vacinal da população. Não é nenhum privilégio a base eleitoral. Todos os munícipes são vacinados”, disse.

“Não estou privilegiando ninguém, eu estou fazendo o meu trabalho. O vereador tem o dever de fiscalizar as ações do Executivo, inclusive da Saúde”, finalizou Gerson. Questionado também pelo VERBO, Ricardo Almeida disse desconhecer a vacinação a fiéis da Universal. “Não estou sabendo, não”, disse. A reportagem voltou a perguntar se ele ou assessor não intermediou vacinas para fiéis da igreja. Ele silenciou. O VERBO não conseguiu falar com o vereador Jefferson.

Hugo Prado disse que “não houve privilégio algum”. “Fizemos um ofício à Secretaria de Saúde, atendendo o apelo de centenas de motoristas e cobradores, em sua grande maioria moradores de Embu, que trabalham todos os dias desde as 4h, 5h da manhã e não têm condições de se deslocarem até uma UBS. O atendimento através dos pontos móveis faz parte da estratégia da prefeitura de imunizar o maior número possível de pessoas, inclusive nas empresas”, disse

“Os funcionários da Mundial Vidros, Supermercados Kaçula e Alta Rotação, Rei de Carnes, CLE Logística e Liotécnica também foram vacinados sem prejuízo à população que continua sendo vacinada normalmente. A cidade tem recebido vacinas para atender a demanda que até agora já passou de 190 mil doses únicas aplicadas. Se for necessário faremos junto com o Prefeito Ney Santos o pedido aos governos estadual e federal para o recebimento de mais doses”, disse.

“É importante salientar também que a farmacêutica Libbs, instalada no município, produzirá nos próximos meses 48 milhões de dores, número suficiente para cobrir boa parte do país. Portanto, nossa população pode ficar tranquila que estamos preparados para combater a febre amarela e todos serão imunizados”, afirmou Hugo. Ele frisou que o fato de funcionários não precisarem ir ao posto e ter a vacina não é privilégio. “Todos que irem às UBS conseguirão e sem filas.”

Compartilhe pela fanpage do VERBO ONLINE