Ney manipula vídeo e ataca vereadora que defende professoras; categoria se revolta

Ney manipula vídeo e ataca vereadora que defende professoras; categoria se revolta

RÔMULO FERREIRA
Reportagem do VERBO ONLINE, em Embu das Artes

Em demonstração de “desespero” após ser ridicularizado ao ser obrigado a voltar atrás no projeto que aprovou contra as auxiliares de desenvolvimento infantil (ADIs) enquadradas ou que buscam se enquadrar como professoras (PDIs) de Embu das Artes, o prefeito Ney Santos (PRB) atacou a vereadora Rosângela Santos (PT) e manipulou vídeo da reunião com a categoria ao mostrar falsos aplausos das educadoras à investida contra a parlamentar – presente à discussão.

Ney posta vídeo com

Ney posta vídeo aplaudido apenas por vereadores aliados e secretários e “brinca” com reunião de professoras 

Ne

No vídeo, Ney é aplaudido por aliados, mas PDIs estão em silêncio; ele fala, elas aplaudem, mas em montagem

Vereadora Rosângela tem

Rosângela (de óculos) tem apoio reconhecido por professoras; categoria não aplaudiu Ney ao atacar vereadora

Charge de Binho sobre Ney ter aprovado

Charge de Binho sobre Ney ter aprovado projeto contra professoras e vetado após MP não seguir lei rejeitada

Em vídeo que publicou nas redes sociais, Ney discursa que vai vetar a lei que ele próprio aprovou e ao censurar postagem da vereadora questionando “E aí, prefeito?” fala que “um das coisas” que o “induziu” a estar na reunião “foi responder para você, Rosângela”. “Eu não sou da sua ‘iguala’, não sou da ‘iguala’ dos politiqueiros de seu partido, tenho compromisso e honro as calças que visto”, diz Ney, contrariado com o desgaste – em erro crasso, ele quis dizer “laia”.

Durante a fala de Ney, o vídeo primeiro mostra apenas o vereador Hugo Prado (PSB) e os secretários Pedro Ângelo (Educação) e Jones Donizette (Comunicação) aplaudindo, e não as professoras. Depois, ao fim do discurso, dá close só em Ney e Hugo, sob barulho de palmas. Em seguida, as educadoras são mostradas aplaudindo, mas não na mesma tomada de imagem, em flagrante montagem das cenas – as ADIs e PDIs se manifestaram em outro instante da reunião.

Professoras confirmam que não bateram palma para o ataque de Ney a Rosângela – que votou contra a lei de Ney e a favor das educadoras. “Não. Nunca. Quem aplaudiu foram os vereadores [aliados de Ney] e a equipe dele que estava lá. O vídeo que circula é montagem, naquele aplauso [mostrado no vídeo] a advogada [Eliana Ferreira, da categoria] estava [aparece] à frente”, disse ao VERBO uma professora que estava na reunião, para apontar grosseira edição das imagens.

As educadoras estão indignadas por terem sido instrumentalizadas na manipulação do vídeo, inclusive para ataque à apoiadora da categoria. “Foi uma forma de tentar desmoralizar a vereadora. Ao mesmo tempo, foi uma imaturidade, demonstraram que ela realmente está incomodando eles. As professoras em nenhum momento aplaudiram o Ney. Todas as colegas estão revoltadas”, disse a professora, sem querer ser identificada por medo de represália do governo.

Rosângela repudiou a montagem do vídeo e afirmou que Ney só assumiu o compromisso de vetar a lei por ter certeza de que as professoras não teriam parecer favorável do Ministério Público ao enquadramento. “O prefeito deu um prazo de 25 dias para sancionar a lei [que aprovou na Câmara no fim de dezembro]. Com o Judiciário em recesso e com a burocracia que existe, ele imaginou que [a categoria] não conseguiria um parecer nesse prazo”, disse a vereadora.

“Mas no dia 8 o sindicato, a dra. Eliane, a comissão, as professoras e eu fomos em caminhada até o MP entregar em mãos da promotora o pedido de arquivamento do inquérito. A mobilização foi essencial para conquista. As professoras receberam o prefeito com silêncio, pois sofreram muitos nesses dias, não tiveram Natal, Ano Novo, férias, mobilizadas em colher assinaturas para apresentar no MP. O prefeito não está preocupado com a educação”, declarou Rosângela.

> Compartilhe pela fanpage do VERBO ONLINE